Grande Missão na Conceição de Faro e no Mundo


O que é?
Uma iniciativa que conta com o alto patrocínio das Comunidades do Caminho Neocatecumenal. Em 10.000 praças distribuídas por 120 países, a Igreja  vai ao encontro do Homem de hoje para lhe dar as razões que necessita para acreditar e dar um novo rumo à sua vida.
CONCEIÇÃO DE FARO é uma das destas milhares de praças. Durante 5 Domingos, cristãos empenhados e comprometidos estarão no Largo da Igreja fazendo catequeses de anúncio. Durante 5 Domingos, dar-se-ão respostas a algumas destas questões: Quem é Deus para ti? Já experimentaste na tua vida que Deus existe? Tu, porque vives? O que é a Igreja?



1º Domingo [07-04-2013]
Dezenas de pessoas acorreram à pequena Aldeia da Conceição. Foi a primeira vez que se fez algo semelhante. Nas esquinas ou encostadas às paredes, eram visíveis algumas vidas que se moviam pela curiosidade e queriam saber mais. Foi uma oportunidade para conhecer este Deus que se revelou à humanidade, e que agora se quer revelar a ti. No entanto, continuamos cegos, não queremos ver este Jesus que pode e quer mudar as nossas vidas; Um Jesus que pode e quer curar-nos, mas que exige algo de nós.

O Envio [13-04-2013]
Na Sé de Faro, juntaram-se todas as comunidades algarvias do Caminho Neocatecumenal. Também o nosso bispo, à semelhança do que havia feito o nosso  Papa Emérito, se quis associar a esta iniciativa. Como sucessor dos apóstolos, D. Manuel Neto Quintas, em plena celebração Eucarística, enviou as comunidades  algarvias para irem ao encontro das "ovelhas que andam dispersas".

2º Domingo [14-04-2013]
Hoje foi o dia se percebermos que o Espírito Santo está a atuar no coração dos homens  que acorrem a esta praça. Pessoas que foram, talvez por curiosidade, no primeiro Domingo, voltaram a associar-se. Ao longe, nos habituais cafés da nossa terra, muitos eram os que ouviam, sem se envolver totalmente. Certamente outros estariam em casa, nas suas varandas ou portas a escutar, dada a qualidade do som.

O que fazer?
Temos 3 Domingos pela frente. Isto significa, três oportunidades. Não perdemos nada. É só ir ao Largo da Igreja (ou a outra praça mais próxima da nossa residência) e participar neste encontro. Certamente Deus vai falar; vai dar razões à nossa existência; vai anular tantos preconceitos sobre realidades que nos estão tão próximas. Vamos apostar numa mudança de vida. Vamos participar. No próximo Domingo, pelas 15h30, na Conceição de Faro, ou noutra das 10.000 praças espalhadas pelo mundo, Deus espera-te.

Uma "pequena história" para nos levar a uma "grande verdade"



Com um bebé nos braços, uma mulher muito assutada chegou ao consultório do seu ginecologista e disse-lhe:
- Doutor, por favor ajude-me. Tenho um problema muito sério. O Meu bebé ainda não cumpriu um ano e já estou outra vez grávida. Não quer ter filhos em tão pouco tempo, prefiro um espaço maior entre os dois.

O médico perguntou:
- Muito bem, que quer que eu faça?

Ela respondeu:
- Desejo interromper a minha gravidez, e estou a contar com a sua ajuda.

O médico ficou a pensar um pouco e depois de algum tempo disse-lhe:
- Acho que tenho um método melhor para solucionar o problema, e é menos perigoso para si.

A mulher sorriu, pensando que o médico aceitaria ajudá-la.
- Veja, senhora, para não ter que estar com dois bebés ao mesmo tempo em tão curto espaço de tempo, vamos matar este menino que está nos seus braços. Assim, a senhora terá um período de descanso até que o outro nasça. Já que vamos matar, não há diferença entre um e outro. E até é mais fácil sacrificar este que tem nos seus braços, uma vez que a assim a senhora não corre nenhum perigo.

A mulher assustou-se e disse:
- Não, doutor. Que horror; que horror! Matar uma criança é crime.

- Também penso o mesmo, senhora. Mas você apareceu-me tão convencida de fazê-lo que por um momento pensei em ajudá-la.

O médico sorriu e, depois de algumas considerações, viu que a sua lição tinha surtido efeito. Convenceu aquela mãe que não há diferença alguma entre matar uma criança que já nasceu e matar outra que está por nascer, uma vez que já está viva no seio materno.

O crime é exatamente o mesmo.